A origem do cão doméstico

De onde vieram os cães?


Existem mais de 800 raças conhecidas de cachorros ao redor do mundo. 

Isso sem falar nos cães sem raça definida.

De qualquer forma, todas as raças de cachorro têm um ancestral em comum.

Descobrir quais as origens do melhor amigo do homem é uma tarefa interessante.

Como surgiu o cachorro?


Poucos mamíferos são tão versáteis quanto o cão. Durante muito tempo acreditou-se que o homem, há cerca de mais de 10.000 anos atrás, teria domesticado alguns exemplares e, posteriormente, realizado cruzamentos que favorecessem sua utilização, para a guarda, companhia e caça.

O adestramento de cães parecia fazer sentido pois, naquela época selvagem, a companhia do animal era uma prioridade para a existência humana.

Mais do que um animal de estimação, o cachorro era uma ferramenta importante.

Dessa forma, filhotes de cachorro começaram a ser adotados. Isso pode ter significado um salto positivo na capacidade de sobrevivência do homem.

Ao iniciar o adestramento do cachorro, o homem soube aproveitar um artigo disponível na natureza e moldá-lo para seu uso.

A verdadeira origem do cão


No entanto, alguns cientistas passaram a desconfiar dessa hipótese. 

Recentemente um grupo de pesquisadores realizou a maior investigação sobre o assunto, analisando o genoma de lobos asiáticos e cães selvagens. 

Depois, comparou-o ao de diversas raças de cachorros.

Foram publicados dois artigos, um no periódico Nature Communications e outro no Molecular Biology and Evolution.

Como resultado, chegou-se à conclusão de que se os cães tivessem sido domesticados a partir dos lobos selvagens, a quantidade e a variedade deles seria bem menor, já que poucos deles teriam sido obtidos das alcateias.

Ao invés disso, os pesquisadores acreditam que, como as tribos nômades se movimentavam em territórios de coleta e caça, os lobos os seguiam por causa dos restos de comida. 

Com o passar do tempo, alguns daqueles animais menos agressivos passaram a conviver com os humanos que, aí sim, realizaram os cruzamentos que satisfaziam suas necessidades.

Leia também: Cachorros engraçados - 6 raças exóticas

Como se vê, não teria sido o homem a adotar o cachorro, mas o inverso; o cão parece ter "adotado" o homem, num empenho de cooperação que satisfizesse as necessidades de ambos.

De onde surgiram esses cães selvagens?


Acredita-se que há cerca de 6.500 anos existia algo próximo a 5 raças de cachorros: 

1) Mastiffs; 

2) Greyhounds; 

3) Pointers; 

4) cães parecidos com lobos; e 

5) Pastores.

Alguns estudos de DNA sugerem que certos lobos que teriam sido domesticados na China, há cerca de 13.000 anos, teriam originado as raças atuais.

Como se vê, os estudos parecem convergir para a mesma hipótese: lobos que foram adotados pelos humanos.

Antes disso, estudos já haviam comprovado que todos os cachorros, cães selvagens e lobos tinham como único ancestral comum o Miacis, que teria vivido há cerca de 60 milhões de anos.

As raças de cachorro atuais


A maioria as raças que conhecemos hoje em dia (cerca de 80% delas) são o resultado de cruzamentos efetuados no século XIX. 

Naquela época era moda cruzar diferentes raças de cachorros e ver qual seria o resultado.

Essa opção por modificar as raças existentes, cruzando-as com outras, deu origem a um grande número de fenótipos. 

Leia também: Como o cachorro enxerga?

Fenótipo (do grego, pheno, visível, e typos, característico) é a característica visível, tanto comportamental como fisiológica do indivíduo. 

Dessa forma, os fenótipos apresentados, embora de grande diversidade, ainda demonstram uma enorme semelhança genotípica entre as raças. 

Pudera, pois todos teriam o mesmo ancestral em comum.

Cruzamento entre cães


O homem, através dos tempos, trabalhou cada indivíduo a ponto de especializar certas raças, tanto para o trabalho no campo, como para a guarda, ou, ainda, para a companhia, a caça e até simplesmente a beleza puramente estética.

Esses são os cachorrinhos que conhecemos atualmente, que parecem tão diversos do lobo ou do cachorro selvagem. 

Mas não devemos nos enganar; até a menor raça possui um ancestral feroz.

Até breve!