Cinomose - Como evitar, como tratar


O que é Cinomose?


Todos nós já ouvimos falar dela, nem que seja um pouquinho. 

No artigo de hoje vamos conhecê-la um pouco mais, para saber como evitá-la. 

A Cinomose é uma doença contagiosa transmitida por um vírus muito resistente e que ataca todas as raças de cachorro. 



Ela pode atacar outros animais de estimação, outros animais domesticos, mas ataca predominantemente cães. É considerada a segunda maior causa de óbitos entre eles, logo depois da raiva.

Filhotes de cachorro, que são animais mais indefesos, cães com baixa imunidade ou que foram muito expostos ao vírus estão entre aqueles com maior risco de contágio.

Apesar de ser grave, não é transmissível ao homem. No entanto, as pessoas devem ficar alertas, pois podem carregar o vírus nas roupas e objetos do dia a dia, se tiverem sido expostos a ela. 

As visitas ao veterinário, por exemplo, devem ser monitoradas, pois a presença de um cachorro contaminado no local é sempre perigosa, e suas secreções podem fazer o vírus circular no ambiente.


Como a Cinomose é transmitida? 


A transmissão se dá através do contato com as secreções e excreções do hospedeiro. O espirro, as lambidas, o contato com fezes e urina ou, ainda, secreções oculares, são importantes meios de contágio. 

Lembre-se que é costume entre os animais domesticos lamberem-se continuamente, como forma de interação social.

O vírus pode, ainda, estar presente em potes de água e ração, caixas de transporte e até mesmo no veículo utilizado pelo veterinário para transportar os cachorros até a clínica (se não foi higienizado). 

O vírus da cinomose tem baixa taxa de sobrevivência ao ar livre, mas pode permanecer por mais tempo em locais de clima frio. 


Tratamento para a Cinomose


Não há cura específica para a cinomose. Os medicamentos utilizados servem para aliviar a dor e dar suporte à vida. 

Podem ser utilizados o Soro Hiperimune e antibióticos de largo espectro (apenas para tratar as infecções secundárias). Além disso, usam-se medicamentos para o controle do vômito, diarreia, conjuntivite, etc. 

Muitos donos acreditam que vacinar seu cachorro depois de ele ter sido infectado pode ajudar na cura. Isso não só não é verdade, como pode até mesmo agravar o quadro. 


Sintomas da Cinomose


Primeiro preste atenção se seu cachorro ficou subitamente triste ou apático.

O período de incubação pode ser de 3 a 6 dias do contágio, podendo chegar a até 15 dias. Depois disso iniciam-se os sintomas sérios da doença, que podem ser: 

1 - febre (muito alta e súbita); 

2 - diarreia (com sangue, muitas vezes); 

3 - corrimento no nariz e olhos;

4 - tosse repetitiva e espirros fortes; 

5 - apatia;

6 - convulsões (muitas vezes confundidas com ataques epiléticos); 

7 - paralisia.  

Nas fases de 1 a 3 os sintomas são predominantemente gastrointestinais. Já nas fases 3 e 4 o comprometimento é do sistema ocular e respiratório. 

Leia também: A origem do cão doméstico

No fim, nas fases de 5 a 7 há o comprometimento do sistema nervoso, o que geralmente faz o quadro evoluir até a morte. 

Isso não significa que o cachorrinho vá desenvolver todos os sintomas ao mesmo tempo. Pode até apresentar apenas um deles, sem por isso estar à salvo. 


A prevenção contra a Cinomose


A vacinação anual é a única forma de manter nossos animais de estimação a salvo. Infelizmente, no Brasil estima-se que apenas 1 em cada cinco cães são vacinados.

Em contraste, nos países desenvolvidos a doença já está praticamente erradicada. 


Cinomose e a gravidez


Ao infectar a fêmea, o vírus pode causar o aborto ou, caso isso não ocorra, o nascimento prematuro dos filhotes de cachorro.

Leia também: Acessórios para cachorro (Parte IV)

Nesse caso tem se observado a presença de inúmeros problemas de saúde no cachorrinho, inclusive em níveis neurológicos. 

Por isso a vacinação antes da cobertura da fêmea é importantíssima. Além de diminuir as chances de infecção, o filhote irá nascer com um nível bastante alto de imunidade ao vírus. 


O vírus da Cinomose no ambiente 


Donos que tiveram animais domesticos infectados pelo vírus devem aguardar e ter certeza de que o local está limpo antes de adquirir outro cachorro. E nesse caso o cão deve ter sido imunizado com bastante antecedência.

Para desinfectar o ambiente, limpe bem o local com desinfetante (água sanitária), pois o vírus é facilmente destruído com medidas de prevenção e higiene básicas. 

Preste bastante atenção: o cachorro pode apresentar um ou mais sintomas, sem que esteja, efetivamente, contaminado pelo vírus da cinomose.

Diarréias, tosses, e até mesmo paralisia podem ser também causadas por outras doenças. O diagnóstico correto da cinomose é feito através do exame de sangue. Por isso é muito importante a visita ao veterinário logo que o dono perceber algum dos sintomas mencionados. 

Enfim, agora que sabemos tudo o que precisávamos a respeito da cinomose, é hora de tomar todos os cuidados necessários para evitá-la.