Cachorros vira latas

O cão vira-latas


O cachorro vira-latas é, sem dúvida, um cão 100% brasileiro.

É um mamífero altamente capacitado, dotado de inúmeros talentos, e capaz de se sair bem em várias situações em que um cão de raça talvez sequer sobrevivesse.



Nós reunimos, neste artigo, algumas das principais características dessa raça (ou falta de raça), além de contar um pouco sobre sua história.

A história do cachorro

Por muito tempo se acreditou que o homem havia domesticado o lobo selvagem para que lhe servisse como animal de companhia, guarda e caça.

Hoje a maioria dos pesquisadores acha que, na verdade, foi o lobo quem domesticou o homem, fazendo com que este o aceitasse em uma troca mútua de benefícios.

Acredita-se que as alcateias seguiam os bandos de homens primitivos, que eram nômades, caçadores e coletores, em busca dos restos da caça.

Com o tempo, conseguiram convencer os primeiros seres humanos da sua utilidade.

Nasciam, dessa forma, os primeiros exemplares do cão doméstico, que acompanharia a história da humanidade até os dias de hoje.


O cão no Brasil

Ao desembarcarem na costa brasileira, os portugueses foram recebidos pelos povos indígenas com assombro. Mas não apenas por suas roupas extravagantes (para os índios), ou as grandes naus, ou, ainda, as ferramentas e armas. Mas principalmente pelo cachorro, que era um animal desconhecido dos habitantes primitivos do país.

Naquela época, as diversas tribos que existiam (a grande maioria extintas, hoje em dia) viviam em pé de guerra umas com as outras.

Dessa forma, a existência nas comunidades era bastante difícil. Ao se afastarem muito das aldeias, os indivíduos poderiam ser sequestrados e mortos por membros de tribos adversárias.

Caçar, pescar ou realizar coleta de frutos e raízes eram tarefas perigosas, que exigiam muito cuidado e atenção. Além do mais, a antropofagia era uma prática comum.

Como se vê, a existência dos índios não era exatamente aquela fantasia representada por romancistas e pintores. Era uma vida carregada de medo, principalmente para mulheres e crianças, que eram vítimas prediletas - troféus de guerra.

Quando aprendeu a conviver com o cachorro, o índio compreendeu logo que o animal poderia ser-lhe útil como alarme contra adversários hostis; e pela primeira vez conseguiu dormir de forma mais tranquila.

Com a introdução do cão na vida indígena, principalmente pelas mãos dos jesuítas, ocorreu a expansão dos domínios da tribo Tupi, que logo abrigou aquele novo mamífero.

Com o tempo, segundo relatos dos jesuítas, os índios compreenderam que, além de sinalizar a presença do inimigo, o cão até mesmo poderia ser útil no ataque e defesa.

Ainda, mais tarde, descobriram que o animal igualmente servia para a caça, em especial à onça, que era capturada através de complicadas manobras e armadilhas. Com o cachorro ajudando, passou a ser perseguida e acuada mais facilmente.

A disseminação do mamífero para as outras aldeias, no interior, era questão de tempo, e foi feita com grande êxito.

Cachorros vira-latas

Ao se entranhar pelo interior do país, o cachorro começou a se reproduzir com rapidez. Sua utilidade e versatilidade contribuíram para que mais e mais ninhadas fossem ganhando as ruas, até que cada família dispusesse de um exemplar.

Explica-se seu sucesso por uma espécie de seleção natural, em que os indivíduos mais bem sucedidos, tanto no fator de reprodução como no de adaptação, foram os vencedores.

Pode-se encontrar alguns padrões no vira-latas brasileiro. 

Em geral a pelagem é curta ou média, de pelos espessos e, normalmente, lisos.

A cor varia do negro ao caramelo, e o porte pode ser mediano, na maioria das vezes.

Ele vive com autonomia, enfrentando diversas adversidades em um período de 24 horas. Ao longo de uma vida, um cão SRD pode ter enfrentado a morte centenas de vezes.

Mesmo sem vacinação ou desverminação, com uma dieta variada de coisas encontradas na rua e nos lixos, dificilmente um vira-latas adoece.

De fato, um cachorro com pedigree exposto às mesmas contingências dificilmente venceria. Mas esses cachorros de rua, que dormem em qualquer lugar, sob qualquer tempo, não apenas sobrevivem, mas se reproduzem e levam uma vida tipicamente social.

O generalista

Um cão de rua é uma espécie de especialista de tudo. Ele consegue decifrar diversos enigmas e resolver, sozinho, vários tipos de charadas no seu dia a dia.


Além disso, aprende desde cedo a reconhecer as intenções não apenas dos outros animais, mas também do próprio ser humano.

Confiar desconfiando parece ser um lema que todo SRD carrega consigo, o que às vezes nos faz acreditar que eles amam a rua, a ponto de recusarem, muitas vezes, serem adotados.

O que acontece, no entanto, é que o animal, não raro, suspeita das intenções de todos, principalmente do homem, e é dessa forma que se mantém vivo.

Cães espertos

Cães de rua são considerados animais muito espertos, superando nesse ponto os cachorros de raça. A esperteza é uma ferramenta importante no seu mundo difícil. 

Diferentemente, os cachorros com pedigree foram desenvolvidos pelo homem para serem especialistas em algumas funções, como a caça, a pesca, a perseguição de animais, a luta e até a companhia.

Isso faz do cão de raça uma criatura bastante eficaz em determinadas tarefas. Algumas raças são consideradas mais inteligentes que outras.

Mas quando pensamos na esperteza, que é útil para a sobrevivência, é no cão de rua que vemos o personagem principal.

O vira-latas brasileiro

O cão de rua segue evoluindo, através dos sucessivos cruzamentos e da própria seleção natural, enquanto os cachorros de raça, através dos esforços humanos, seguem por outro caminho, mantendo todas as características herdadas dos primeiros cruzamentos.

O nosso SRD é pouco exigente quando o assunto é conforto ou alimentação, embora se adapte bem a uma boa casa e comida farta.

Podemos encontrá-lo em vilarejos perdidos nos mais remotos cantos, em aldeias indígenas, acompanhando moradores de rua, circos, trens, até mesmo formando matilhas pelas matas.

Mesmo quando é requisitado a prestar serviço, o vira-latas procura se igualar aos cães de pedigree. No interior, ajudando a tocar manadas, como se fossem pastores; nas cidades, na guarda e proteção, como se fossem cães de guarda.


A razão do sucesso do cachorro vira-latas

Seu sucesso provém da incrível capacidade que o animal tem em compreender o ser humano. Normalmente, um cachorro consegue compreender cerca de 100 palavras, no mínimo.

Além disso, pode chegar a aprender o nome de 200 objetos. Isso faz dele um grande sócio.

Nenhum outro animal aceita tão facilmente o convívio com o homem. Um cão já nasce domesticado e pronto para entrelaçar sua existência à do ser humano.

Enquanto outros animais precisam ser domesticados, às vezes com o uso da força, para aceitarem a convivência com as pessoas, o cachorro voluntariamente se entrega ao dono e o acompanha sem restrições.

Quantas histórias de cachorros que passaram fome junto com os donos já foram contadas? E de cães que arriscaram a vida pelos seus parceiros humanos?

A história do cachorro é a própria história do homem.


Anatomia do cão vira-latas

Enquanto algumas raças foram desenvolvidas para fins específicos, perdendo algumas qualidades para ganharem outras, o vira-latas se desenvolveu sozinho, e não abriu mão de qualquer característica pessoal.

Dessa forma, alguns cães foram cruzados para não latirem, por exemplo, ou não uivarem. O vira-latas permaneceu intacto, e consegue extrair de suas cordas vocais todos os sons que os cães primitivos possuíam no passado.

De grande perspicácia, esse cão carrega orelhas estimuladas por 25 músculos, que giram, sobem, descem e se movimentam independentes. Um vira-latas está sempre com uma orelha virada para frente e outra para trás; nunca está totalmente relaxado e parece sempre pronto para uma fuga espetacular, ou um olhar amistoso, se achar que vale a pena.

Cães sempre foram mais superiores do que gatos na caça aos ratos. Muitas raças foram desenvolvidas pelo homem para esse mister.

O que se nota, no entanto, é que um SRD agrega naturalmente na sua bagagem de utilitários essa característica que os homens procuraram criar artificialmente no passado.

Em canis especializados pode-se adquirir exemplares criados e produzidos para determinados fins. Um cão de caça, por exemplo, deve ser a perfeição no seu ofício.

Um cão pastor deve ter a maior qualidade possível no pastoreio do gado, obedecendo o dono e acatando as ordens.

No entanto, se for abandonado em um meio-ambiente adverso, um cachorro de raça dificilmente sobreviverá. Seu atestado de pedigree não terá serventia, nesse caso.

Um vira-latas, por sua vez, aprende facilmente a atravessar a rua na faixa de pedestres. Além disso, aguarda o sinal vermelho e, muitas vezes, observa as pessoas atravessarem para, então, atravessar junto. E isso tudo sem que seja necessário adestramento.

O que acontece, nesse caso, é que o SRD tem uma grande capacidade de aprendizado, expandindo a mente sempre constantemente. Desde pequeno, o filhote é exposto a inúmeras experiências sensoriais.

Outra genialidade flagrante no vira-latas é o seu olfato. Lógico que qualquer cão tem um olfato superior ao humano.

No caso do cão de rua, porém, o que causa espanto é a capacidade seletiva. Seu olfato o permite seguir uma pista, uma presa ou uma fêmea por quilômetros. 

Ele consegue identificar em um saco de lixo qualquer substância comestível a grandes distâncias. E ao conseguir por a boca, não mastiga, engole direto.

O suco gástrico do animal é muito poderoso e consegue transformar qualquer coisa ou bactéria em nutrientes úteis.

Cachorro-viralatas - um símbolo

Muitas adultos ainda lembram dos primeiros cachorrinhos da sua infância. Em geral um cão sem raça, amigo e amável, mas que virava uma fera quando alguém desconhecido inventava de entrar no quintal.



Um cachorrinho que ladrava e uivava a noite inteirinha, e ainda tinha ânimo de brincar durante o dia com os donos.

Que adorava fugir pelo portão assim que se apresentava uma oportunidade, retornando, horas depois, todo sujo e coberto de lama.

Alimentado com restos de comida, fubá e ossos de galinha, e que muitas vezes sequer era vacinado, embora quase nunca ficasse doente.

Um autêntico vira-latas, na mais exata acepção da palavra.

O adestramento de cães difíceis e teimosos

Não esqueça de procurar material de qualidade para que seu cachorro tenha saúde e se comporte devidamente.

Invista na educação do seu animal de estimação. Um cachorro comportado e saudável é a melhor companhia que você pode querer.

Neste artigo aqui nós explicamos como os melhores adestradores profissionais conseguem adestrar cães difíceis, teimosos e hostis. 

O segredo desses adestradores é iniciar um programa de adestramento voltado à educação canina, com objetivos claros para o animal.


Cachorros que latem excessivamente

Neste artigo aqui, nós mostramos a você os riscos de ter em casa um cão que late sem parar, provocando problemas com a vizinhança inteira.


Conheça métodos e truques para diminuir esse barulho e pacificar os cachorros mais nervosos.

Até Breve!