Cachorros vivem quantos anos?

Quanto tempo vive um cachorro?

De forma geral, acredita-se que um cachorro seja como todos os seres vivos, isto é, tenha um determinado período de vida. 

Mesmo que existam diversas, esse período deve ser específico, dependendo do porte, alimentação e saúde geral.



Além dessa limitação, nossos animais podem herdar doenças típicas de sua espécie, o que pode causar um impacto na longevidade.

Essas doenças podem ser, entre outras, diabetes, problemas cardíacos e renais, artrites, artroses, etc.

Filhotes bem tratados, cuidados e, de forma geral, com uma existência bem regulada, levam vantagens sobre cães que recebem alimentação errada, sofrem maus-tratos ou passam por alguma dificuldade.


Quantos anos vive um cachorro?

Normalmente você poderá calcular a duração de vida de seus animais através do porte.

Isso não significa que o cachorrinho dure exatamente o tempo calculado; por outro lado, dificilmente ele terá uma expectativa muito maior ou muito menor do que isso.

Cães de pequeno porte (até 10 kg) - entre 9 e 13 anos;

Cães de médio porte (de 11 kg a 25 kg) - entre 9 a 11,5 anos;

Cães de porte grande (26 kg a 45 kg) - entre 8 a 10,5 anos;

Cães de porte gigante (acima de 45 kg) - entre 7,5 a 10 anos.

O que devemos ter em mente é que um cachorro bem cuidado, com todas as vacinas em dia, desverminado e com a alimentação adequada, muitas vezes pode nos surpreender no quesito longevidade. 

Praticamente todo mundo conhece ou já ouviu falar de alguém que teve um cachorrinho que durou quase 20 anos, ou algo parecido.

Realmente, com os devidos cuidados, um cachorro pode alcançar uma idade superior àquela informada na tabela.

No entanto, um mito muito comum é o de multiplicar por 7 a idade do cão para chegar ao resultado da idade humana.

Como vimos, a longevidade canina está relacionada a outros fatores, como a raça, o porte, a alimentação e os cuidados básicos.

Apesar disso, é possível chegar a um resultado mais próximo nessa relação. Veja na tabela abaixo um valor aproximado da idade do cachorro comparada à idade do ser humano:


Idade do cão Em idade humana…
pequeno/médio grande gigante
2 meses 2 anos 2 anos 2 anos
4 meses 6 anos 6 anos 6 anos
6 meses 10 anos 10 anos 10 anos
8 meses 12 anos 12 anos 12 anos
10 meses 14 anos 14 anos 14 anos
1 ano 16 anos 16 anos 16 anos
1 ano e meio 20 anos 20 anos 20 anos
2 anos 24 anos 24 anos 24 anos
3 anos 29 anos 30 anos 31 anos
4 anos 34 anos 36 anos 38 anos
5 anos 39 anos 42 anos 45 anos
6 anos 44 anos 48 anos 52 anos
7 anos 49 anos 54 anos 59 anos
8 anos 54 anos 60 anos 66 anos
9 anos 59 anos 66 anos 73 anos
10 anos 64 anos 72 anos 80 anos
11 anos 69 anos 78 anos 87 anos
12 anos 74 anos 84 anos 94 anos
13 anos 79 anos 90 anos 101 anos
14 anos 84 anos 96 anos 108 anos




Como dissemos, é possível que seu cachorrinho dure mais. Veja algumas dicas para que ele tenha uma vida mais longa:


A alimentação adequada para seu cachorro

Já falamos anteriormente que a alimentação adequada é um item importante na saúde geral do seu cãozinho.

Não basta apenas alimentá-lo com ração. Esta deve ser a ideal para seu porte, raça e idade. Além disso, deve ser de boa marca, estar dentro do prazo de validade e, de preferência, do tipo Premium.

Uma boa ideia é evitar a compra de ração à granel, pois dificilmente pode ser verificada a data de validade do produto. 

Outro problema, nesse caso, é que o alimento pode ter ficado exposto durante muito tempo, tornando-se úmido e correndo do risco de estar mofado, o que pode causar problemas intestinais no bichinho.

A alimentação humana deve ser evitada, assim como guloseimas como chocolate, frituras e produtos à base de farinha de trigo. Algumas frutas igualmente não devem ser oferecidas ao cão.

Na hora do adestramento, evite premiá-lo com biscoitos inteiros. Fracione-os em vários pedaços, de forma a que seu cachorro não coma um inteiro. 

Normalmente esses alimentos são extremamente calóricos, podendo provocar sobrepeso, entre outros problemas.


Exercite seu cachorro

Um cachorrinho deve ser exercitado desde a infância.

As longas caminhadas que damos com nosso cão, além de criarem um vínculo afetivo maior entre ele e o dono, são seu exercício favorito.

Através desses passeios, o cachorro interage com o meio físico, recebendo estímulos como odores diversos, sons e socializando com outros animais e pessoas.

Passeios são para os cães o que o estudo é para as pessoas, exercitando seus cérebros e deixando-os ativos.

Por esse motivo, a falta desse estímulo pode provocar alguns problemas sérios nos animais. Cães que ficam muito tempo presos, por exemplo, podem desenvolver atitudes anti-sociais, depressão e ansiedade.

Isso pode abreviar seus dias, causando o aparecimento de doenças degenerativas ou auto-imunes.


Cães idosos

Com o passar do tempo, os cachorros podem desenvolver alguns problemas físicos, como artrites e artroses, o que pode dificultar sua movimentação.

É muito importante, nessa fase, conhecer a velocidade e força do cão, evitando exercitá-lo acima de suas condições.

Normalmente os cachorros mais velhos precisam de pausas mais frequentes durante a caminhada. Além disso, brincadeiras e treinos de velocidade devem ser conduzidos com cautela, para evitar lesões graves.

Na socialização com outros animais deve-se ficar atento para a possibilidade de agressões, comuns em suas disputas, mas muito perigosas em cachorros idosos, que são mais sensíveis.

Outra atitude importante é evitar o contato do cachorro com o frio e a umidade. Com o tempo, a imunidade dos cães, assim como de todos os animais, diminui, deixando-o mais exposto a doenças oportunistas.

Uma boa forma de preveni-las é observando bem o local que o cachorro utiliza para dormir e no qual passa o maior tempo.

A casinha do cachorro deve ser feita de forma a dar-lhe a máxima proteção contra o frio e o vento. Além disso, a cama do cachorrinho deve evitar seu contato com a umidade e a poeira, que podem lhe fazer muito mal.


Cuide dos dentes do seu cachorro

Os dentes são instrumentos importantíssimos para um cão. Desde filhote ele aprende a roer, morder e comunicar-se com eles.

Cachorros também os usam para brincar e para demonstrar sua zanga.

A importância dessas ferramentas deve ser respeitada. Para isso, alguns cuidados são imprescindíveis na sua conservação.

1) A limpeza dos dentes é muito importante. Uma revisão anual é o suficiente, desde que seu cachorrinho não esteja dando demonstrações de algum incômodo. 

Essas demonstrações podem ser verificadas quando ele esfrega as patas na boca, ou o focinho no chão, repetidas vezes, a ponto de quase se machucar.

2) Um cachorro deve roer ossos sempre que o quiser. Brinquedos e ossos feitos de couro, disponíveis em pet shops, devem ser adquiridos e deixados à disposição. Cães sabem quando está na hora de mastigar alguma coisa.

3) Com o tempo, verifique se a ração que seu cachorro está comendo é a mais acertada para sua idade, em relação à dureza dos grãos. Caso seja necessário, às vezes vale a pena umedecê-la para evitar lesões na gengiva do animal.

Lembre-se: além das visitas anuais ao veterinário, perca alguns minutos por mês verificando o estado geral da dentição do seu cão. Procure por lesões na gengiva, tártaro e veja se houve a perda de algum dente.

Para um cachorro idoso, alimentar-se devidamente é algo muito importante, e para isso a dentição deve estar em bom funcionamento, e a alimentação deve ser adequada.

O mais importante para seu cachorro

Exercite a amizade com seu cão, diariamente. Cachorros são criaturas extremamente sociais, e se sentem muito ligadas ao dono.

A distância e a solidão podem fazê-los entristecer de forma tão grave que sua saúde fica diretamente comprometida. Isso impacta de forma profunda sua expectativa de vida.

Cachorros, como pessoas, precisam de motivos para viver. Dê esses motivos, cuidando do seu amigo e fazendo-o sentir-se acolhido em uma matilha.

Certamente isso será definitivo na sua longevidade.

Além disso, procure aprender cada vez mais sobre seu mascote.

Ao ter conhecimento de como tratar devidamente do seu cãozinho, você vai poder acompanhá-lo durante todas as fases da sua vida.

Conheça, também, nossos cursos práticos, livros digitais e em vídeo!

  • Latidos excessivos em várias situações;
  • Cachorros agitados, que destroem a casa, os estofados, os móveis, cortinas, etc;
  • Cães com maus-hábitos: escavam jardins, atacam o lixo, comem as próprias fezes, não sabem onde fazer as necessidades;
  • Cachorros agressivos, que mordem o tempo todo, que não aceitam carinho.
  • Filhotes que não se acostumaram ainda com a casa, e que choram e uivam à noite.



O adestramento de cães difíceis e teimosos

Não esqueça de procurar material de qualidade para que seu cachorro tenha saúde e se comporte devidamente.

Invista na educação do seu animal de estimação. Um cachorro comportado e saudável é a melhor companhia que você pode querer.

Neste artigo aqui nós explicamos como os melhores adestradores profissionais conseguem adestrar cães difíceis, teimosos e hostis. 

O segredo desses adestradores é iniciar um programa de adestramento voltado à educação canina, com objetivos claros para o animal.