O cachorro mais velho do mundo

O cão mais idoso do mundo

Morreu no dia 14 de janeiro, neste ano, o cachorro mais velho do mundo, segundo o Guiness Book.

Otto, uma mistura de dachshund e terrier, teria 20 anos e 8 meses de idade, e seus donos conseguiram comprovar seu tempo de vida através de documentos e certificados de vacinação.

Ele vivia na cidade de Shrewsbury, no Reino Unido, e havia entrado para o livro em outubro de 2009.

"É devastador. Ele era como um filho. Minhas esposa ainda chora", disse Peter Jones, o dono.

Otto teria desenvolvido um tumor no estômago, e teve que ser sacrificado. “Ele dormiu na minha cama, acordou pela manhã e me deu um beijo, como sempre fazia”.

Segundo ele, o segredo para a longa vida de Otto (o equivalente a 146 anos de gente) era muito amor, boa comida e check-ups regulares em clínicas veterinárias.

Pusuke

Em 2011, Pusuke, da raça Shiba inu, havia falecido em Sakura, na província japonesa de Tochigi, aos 26 anos e 9 meses de idade (o equivalente a 125 anos humanos).

Sua dona, Yumiko Shinohara, acredita que o animal esperou-a chegar em casa, antes de morrer.

Ela conta que o cachorrinho aparentava bem-estar, inclusive comendo com apetite sua ração no dia anterior.

Depois haviam saído para passear e ele se comportou normalmente.

No entanto, logo após ele recusou-se a se alimentar, permanecendo quieto e apresentando dificuldades para respirar, falecendo logo em seguida.
Pusuke havia escapado da morte em 2008, quando sofreu um atropelamento. Naquela ocasião toda a família acreditou que ele não conseguiria sobreviver. Foi submetido a uma cirurgia e, milagrosamente, conseguiu reverter o quadro.

Pusuke teve seu nome inscrito no Guiness em 2010, após os donos conseguirem comprovar sua idade com documentos, carteiras de vacinação e no registro municipal de animais.

Bella

Em 2008, Bella, uma vira-latas com cruzamento de labrador, havia morrido com 26 anos (o equivalente a 206 anos humanos), comprovados através de documentos e carteiras de vacina. Bella teve seu nome inscrito no Guiness.

Bella teve um ataque cardíaco e não resistiu. Ela e seus donos, David (76) e sua esposa, Daisy Cooper (81), viajavam no fim-de-semana e estavam na cidade de Lincolnshire, no Reino Unido.

Bluey

No entanto, o cachorro mais velho de que se tem notícia, segundo o Guiness Book, seria o Bluey, da raça Australian Cattle Dog. Ele teria vivido durante 29 anos, 5 meses e 7 dias.

Ele foi declarado, ainda em vida, o cão mais velho do mundo em 1930, ano em que ganhou o título mundial.

O Australian Cattle Dog é reconhecido como uma das raças mais inteligentes. Bluey trabalhava no campo, entre gado e ovelhas, e se aposentou com 20 anos de idade.

A longevidade parece que fazia parte da família. A responsável pelo cão, Esma Hall, viveu até os 103 anos. Bluey pertencia a William Hall, pai de Esma, que faleceu antes do cachorro.


Algum leitor mais atento poderá notar uma certa incongruência nas idades dos cães em relação aos seres humanos. No entanto, é possível verificar a diferença através da tabela de idades, divulgada no artigo Cachorros vivem quantos anos?


Campeões de longevidade

Vários outros cães ganharam notoriedade por causa da longevidade alcançada.

O que eles têm em comum é a resistência da raça e os cuidados que recebiam.

Entre esses, os principais cuidados são aqueles relacionados às vacinações e à alimentação.

Outro ponto bastante importante é que todos os cachorros que atingiram uma idade avançada eram ativos, passeavam com o dono ou, no caso de Bluey, trabalhavam bastante.

Cachorros sedentários correm riscos maiores.

O respeito aos limites

Manter o cachorro ativo, sempre proporcionando atividades lúdicas, divertidas e, ao mesmo tempo, saudáveis, é um desafio ao dono.


Cada vez há menos tempo, cada vez o dia passa mais rápido, e fica difícil, por vezes, manter hábitos saudáveis com o animal de estimação.

Há períodos na vida que sequer o dono consegue cuidar de si mesmo, quanto mais do seu bichinho.

No entanto, é algo extremamente necessário que se encontre esse tempo, pois não apenas o mascote se beneficiará, mas igualmente seu dono.

Deve-se ter em mente, contudo, que cada cachorro, dependendo da raça, precisa de uma determinada quantidade de estímulos. Alguns precisarão desenvolver atividades mais exigentes, outros menos.


Além disso, essas atividades devem ser mantidas de acordo com a idade do cachorro. Cães mais velhos são mais sensíveis ao estresse físico, e podem sofrer lesões ou esgotamento.

Verifique se seu cachorrinho demonstra cansaço excessivo depois das atividades. Isso pode significar que talvez uma diminuição no ritmo seja necessária.

Que seu cachorrinho viva muito!

Agora que você conhece alguns dos cachorros mais velhos do mundo, que tal começar a verificar a saúde geral do seu bichinho?
Aproveite e veja se a ração que ele recebe é a mais indicada. Veja, também, se as atividades físicas que ele desenvolve estão de acordo com as necessidades da raça e idade.

Muitas vezes alguns detalhes na forma como criamos nossos animais de estimação podem fazer grande diferença na sua longevidade.