Sarna em cães - A saúde do cachorro (Parte II)


Como o cachorro pega sarna?

Poucas coisas são mais angustiantes do que ver seu animal de estimação se coçando sem parar, e sem conseguir acabar com a coceira.

Em se tratando de raças de cachorros com pelo mais espesso, isso é ainda mais triste, pois a coceira não tem fim. É importante encontrar qual o melhor remédio para sarna de cachorro, resolvendo rapidamente a situação.


A sarna é uma doença causada pela proliferação excessiva de ácaros no pelo do animal e em contato com a sua pele. Esses ácaros se alimentam do próprio animal e se reproduzem rapidamente, causando muita coceira.

O grande problema é que a coceira insistente tira o sono e a vontade de se alimentar do mascote, causando outras doenças graves.

A contaminação ocorre quando seu cachorrinho passeia em locais infestados pelo parasita ou quando ele brinca com outros animais doentes.


Sarna canina

Filhotes de cachorro são mais propensos a desenvolverem problemas de saúde, visto serem mais sensíveis.

Cães idosos ou que tenham algum problema de saúde (principalmente quando estão com a imunidade baixa) também devem ser observados.

Vamos elucidar as principais dúvidas com relação à sarna canina; os diferentes tipos da doença, quem é o causador e como se manifesta.

O que é sarna de cachorro?

A sarna é o sintoma causado no animal por uma infestação anormal de ácaros.

Ao se proliferarem de forma descontrolada, os ácaros minam a saúde do cachorrinho, causando a doença conhecida como sarna.

Resultado de imagem para filhoteO engraçado (ou nem tanto) é que todas as raças de cachorros carregam esses ácaros no pelo, e os depositam pela casa toda, na sua caminha, no chão, nos móveis, etc.

Se pudéssemos perceber, veríamos que os filhotes de cachorro, já nos primeiros dias de vida, ganham esse "presente" da mãe. 

Ela lhes transmite esses ácaros e eles passam a transportá-los pela vida toda. Mas, como dissemos anteriormente, apenas a superpopulação desses parasitas é que causa a doença.

Para que eles se desenvolvam sem controle é necessário que o cachorro apresente algum problema de saúde, como baixa imunidade ou predisposição genética, ou, ainda, que seja muito novinho.


Como cuidar de cachorro com sarna

A melhor forma de tratar seu mascote é utilizando produtos específicos para essa finalidade. Alguns remédios combatem a sarna canina, pulgas e carrapatos.

É importante visitar um veterinário antes, pois ele é quem vai orientá-lo sobre o melhor tratamento. O profissional vai observar os sintomas clínicos do cachorro e verificar que procedimento deve ser feito.

Caso o dono do cachorrinho não tenha condições financeiras para arcar com os custos do veterinário, pode procurar ONG's que realizam atendimento gratuito ou por um preço simbólico.

Isso pode ser pesquisado na Prefeitura Municipal da sua cidade, na Secretaria do Meio Ambiente e até mesmo em clínicas veterinárias particulares.


Cachorro: Sarna e Tratamento

Filhotes de cachorro e cães idosos, bem como animais com algum problema de saúde, são mais sensíveis a determinados remédios. É importante saber diferenciar essas situações.

Os produtos mais utilizados podem ser administrados de forma oral ou injetável, dependendo do que o veterinário considere qual o melhor remédio para sarna de cachorro.

A base desses remédios pode ser a ivermectina, por exemplo, utilizada no tratamento de estrongiloidíase intestinal, oncocercose, filariose, escabiose (sarna) e também infestação por piolhos.

Há, também, sabonetes sarnicidas ou à base de enxofre. Além disso, o veterinário pode determinar que o cãozinho receba suplementação de vitaminas e polivitamínicos, caso acredite que ele esteja com a imunidade baixa.

O tratamento deve ser levado até o fim, para que o animal fique inteiramente curado.


As raças de cachorros e a sarna canina

Algumas raças de cachorros estão mais predispostas, geneticamente, a desenvolverem sarna. 

Isso se deve, em grande parte, aos criadores que manipulam de forma errada a reprodução das fêmeas, realizando cruzamentos inter-familiares, por exemplo, o que acaba reforçando as características indesejáveis de algumas linhagens.

Acredita-se que as seguintes raças de cachorros sejam mais sensíveis e possam carregar com eles as características que facilitam o aparecimento da sarna:


  • Afghan;
  • Pit Bull Terrier, Terrier de Boston e Boxer; 
  • Buldogue, Shar-Pei e Collie;
  • Chihuahua e Buldogue miniatura (pug);
  • Dálmata, Doberman, Pastor Alemão e Inglês.

Além disso, linhagens de cães (de qualquer raça) que tenham sido manipuladas irresponsavelmente podem sofrer desse mal, além de outros problemas genéticos.


Quais os tipos de sarna canina?

Os tipos conhecidos são:

A sarna Sarcópica - (Escabiose) 


Nesse caso, os ácaros estão se manifestando na parte mais externa da pele, alimentando-se e se reproduzindo.

Ao colocar ovos, o ácaro Sarcoptes Scabei garante sua linhagem, enquanto o ovo choca em contato com a pele quente do animal. Ao nascer, a larva vai se alimentar até a fase adulta, recomeçando o ciclo.

O cachorro vai dar sinais de que a sarna o está incomodando. Os sintomas incluem prurido (coceira intensa), perda de pelo, crostas na pele, vermelhidão e escoriações. 

O cão pode coçar-se com força durante muito tempo, lamber-se, e até morder o local da irritação, causando ferimentos.

Esses locais devem ser limpos e higienizados, pois os machucados podem causar infecções que tornam o quadro ainda mais crítico.

Muitas vezes o tratamento da sarna inclui a administração de antibióticos para evitar essas infecções.

Observe que a Escabiose é um tipo de zoonose (pode ser transmitida a humanos). Por ser altamente contagiosa através do contato com roupas, brinquedos e a pele do cachorro, recomendamos muito cuidado durante o tratamento.

Por ser persistente, ao se tratar do cachorrinho doente os outros animais devem ser mantidos distantes e passar pelo mesmo tratamento, ainda que não manifestem a doença.

A sarna Demodécida Localizada

Nesse caso, a sarna está restrita a alguns locais do corpo do cachorro.

Geralmente atingindo filhotes de cachorro (com até 1 ano de idade), a Localizada pode se manifestar na região das pálpebras, lábios (principalmente nos cantos da boca) e extremidade das patinhas. Pode, também, se localizar nas pernas e tronco, mas é mais raro.

É comum a infestação passar depois de algum tempo (de 6 a 8 semanas). Durante esse intervalo ela pode aumentar sua área ou reduzi-la. Pode, também, demorar um pouco mais para passar completamente.

O dono do animalzinho deve ficar atento para a evolução da doença, mantendo o cão longe do contato dos outros animais até ter certeza de que a doença está regredindo espontaneamente.

Em cerca de 10% dos casos, no entanto, dependendo do animal e suas condições gerais de saúde, a sarna persiste e não se cura sozinha, ou evolui para sua forma Generalizada.


A sarna Demodécida  Generalizada 

Causada pelo mesmo ácaro da Localizada (Demodex Canis), a sarna Generalizada, como o nome diz, pode atingir todo o corpo do cachorro de forma igual.

A pele, nesses casos, se rompe, formando crostas dolorosas que podem sangrar a qualquer momento, espontaneamente. 

Esse tipo de sarna pode levar à morte, visto o cão perder o apetite e não conseguir descansar devido ao incômodo produzido pelo ácaro.

Quando atinge filhotes de cachorro de até 1 ano de idade, pode-se esperar que, em alguns casos, ela recue naturalmente, sem nenhum tipo de intervenção.

Ao atingir cães adultos, no entanto, essa probabilidade é inexistente, e o animal terá de ser tratado com banhos de imersão contendo produtos receitados pelo veterinário, além de ter o pelo raspado para que o remédio penetre mais facilmente.

A sarna Otodécica (sarna de ouvido) 

Igualmente causada pela infestação de ácaros, esse tipo de sarna se desenvolve dentro do canal auditivo do cãozinho.

Conforme visto na primeira parte desse artigo (A saúde do cachorro - Parte I), o animal dá sinais de que algo não vai bem no seu ouvido, balançando frequentemente a cabeça e coçando com insistência as orelhas.

O ácaro responsável pela infestação é o Otodectes Cynotis, e pode migrar da orelha do cachorro para a do gato, e vice-versa, infectando ambos.

A higienização constante pode evitar o aparecimento dessa doença. Caso já se tenha instalado, o tratamento deve levar em conta a retirada do cerúmen do ouvido do animal, evitando assim o aparecimento de otites.


O que é bom para sarna de cachorro

Nem sempre é possível evitar que seu cachorrinho contraia algum tipo de sarna.

O contato com outros animais, ou uma passadinha por um local contaminado pode ser o suficiente.

Além disso, se o cachorro passou por algum trauma que diminuiu sua imunidade, como outro tipo de doença, alguma perda ou estresse causado por uma mudança, ele pode permitir a infestação descontrolada dos ácaros.

Mesmo assim, no entanto, é possível tomar algumas atitudes para evitar ou, ao menos, dificultar a manifestação da sarna, como:

  • manter as roupas de cama e vestuário do cachorrinho sempre higienizadas;
  • procurar locais mais limpos para passear;
  • evitar o contato entre o cachorro e outros animais desconhecidos;
  • evitar que o cachorro se aproxime de cães de rua;
  • manter o animal limpo e escovado.

A escovação frequente do pelo do animal mantém a pele livre das crostas e descamações naturais da pele, que são alimento do ácaro.


Sarna de cachorro? Visite o veterinário

Ao ver seus animais de estimação se coçando com insistência, muitas vezes as pessoas se dirigem diretamente a uma agropecuária e pedem "remédio de sarna".

No entanto, como vimos logo acima, existem vários tipos de sarna, e mesmo que a forma como se manifestam sejam semelhantes, o tratamento nem sempre é o mesmo.

Ao receber um cãozinho doente, o veterinário deve obrigatoriamente realizar a raspagem da pele para analisar qual o tipo de ácaro que causou a infestação.

Dependendo do resultado, o profissional receitará a medicação mais apropriada.

Remédios administrados erroneamente fazem o cachorro sofrer durante mais tempo, dando a oportunidade ao ácaro para se reproduzir com mais rapidez e redobrar a infestação do bichinho. 

Em vista disso, tomamos o cuidado de não passar nenhuma sugestão de remédio ou tratamento, visto isso depender da avaliação profissional.

Devemos tomar cuidado, também, com os chamados "remédios caseiros" que existem aos montes na internet. Muitas vezes a sarna pode ter sido curada espontaneamente pelo animal, e os remédios caseiros foram apenas uma "coincidência". 

Imagine se o seu mascote for alérgico a algum elemento dessas receitas milagrosas e sofra uma reação séria!

Por isso, não devemos descuidar da saúde do nosso mascote. Passar qualquer coisa que alguém "ouviu falar" que dá resultado, é desmerecer o carinho com que nossos cães nos tratam.

Leve seu cão ao veterinário tão logo ele manifeste os incômodos causados pela coceira. Afinal, hoje em dia os tratamentos são mais eficazes e o índice de recuperação beira os 100%.


Última dica:


A melhor forma de cuidarmos do nosso mascote é aprendendo tudo sobre seu comportamento.

Pensando assim, criamos uma Área de Treinamento onde você pode assistir gratuitamente a vídeos exclusivos com truques e macetes práticos.

Cães são muito inteligentes e é preciso que a gente esteja sempre aprendendo novas técnicas para estimular sua criatividade e ensinar os comandos importantes.