Fazendo o cachorro parar de latir - 8 dicas para latido de cachorro


Latido de cachorro: será realmente possível fazer o cachorro parar de latir?

Muitas pessoas têm se preocupado com latido de cachorro ultimamente. Quando o cachorro não para de latir, você pode ter alguns problemas com a vizinhança

Estima-se que hoje em dia existam pelo menos 52 milhões de cães nos lares brasileiros. É muito cachorro! Imagina se todo mundo tiver um cachorro barulhento em seu quintal ou apartamento!

Imagine um monte de deles latindo, uivando e chorando o tempo todo!


A reclamação pelo latido de cachorro no condomínio é uma das pricipais causas de incômodo, hoje em dia. O barulho do cachorro é um ruído bastante problemático para a vizinhança e para aqueles que residem próximo.

Os latidos incomodam principalmente à noite. Por causa disso, existem várias técnicas que prometem fazer o cachorro parar de latir a noite

As pessoas estão cansadas nesse horário. Descobrir como fazer o cachorro parar de latir a toa é quase uma obrigação para elas.

Não é à toa que os latidos excessivos dos cachorros ocupam as primeiras posições quando falamos em brigas, queixas policiais e desordem entre vizinhos.


Cachorro não para de latir - o que não fazer

Algumas pessoas se empenham muito em tentar descobrir como fazer o cachorro parar de latir quando esta sozinho, por exemplo, ou como fazer o cachorro parar de latir de madrugada. Isso pode levá-las a tomar certas atitudes absurdas, que não ajudarão a resolver o problema. 

É comum os donos castigarem o animal, assustando-o sem obter qualquer resultado prático. O susto e o medo não fazem o cachorro parar de latir - talvez até piore o quadro.

No Japão, os animais têm as cordas vocais extraídas, o que é um processo muito traumático.

O cachorro tenta latir, como fazia antes, mas não consegue articular o som. Isso o deixa frustrado e pode levar à depressão e ansiedade. Além disso, ele pode ficar agressivo, se auto-mutilando, destruindo móveis, atacando pessoas.

A melhor atitude, ao se enfrentar os latidos insistentes do seu cachorro, é se instruir e obter informações úteis para resolver o problema.

Meu cachorro late muito quando eu saio

O cachorro que aprendeu a latir em excesso precisa, antes de tudo, modificar seus hábitos. Se você sabe qual o motivo dos latidos e compreende em quais horários eles irão se manifestar, já tem uma grande chance de resolver a situação.

A melhor forma de acabar com uma atitude errada do mascote é substituindo essa atitude chata por outra mais saudável. Essa é a regra de ouro do adestramento de cães, e vale para os latidos excessivos e para todos os outros hábitos ruins do cachorro.

Veja só: se o seu problema é saber como fazer o cachorro parar de latir quando chega visita, por exemplo, uma boa dica é treinar essa condição com ele, convidando amigos para simularem visitas, tocando a campainha, entrando e saindo pela porta, etc.

Agindo assim você consegue monitorar exatamente as atitudes dele, substituindo-as por outras menos incômodas.


Meu cachorro late muito quando eu saio

Da mesma forma, reserve um dia (um final de semana, por exemplo) e treine essa situação, ausentando-se por alguns minutos e retornando depois. A cada vez, você pode se ausentar um pouquinho mais. Isso faz com que o cachorro perceba que você sempre volta depois da ausência.

Isso porque o medo de ter sido abandonado é o principal motivo para o animal latir em demasia, quando fica sozinho.

Nesse caso, para cachorros que têm que ficar sozinhos em casa enquanto o dono se ausenta, o melhor é treiná-los a ser o mais independentes possível.

Aprenda a identificar os motivos dos latidos

O cachorro latindo, pode não estar latindo pelos mesmos motivos o tempo todo. Os latidos têm um motivo específico e sinalizam uma intenção diferente. Veja só alguns exemplos:

1) Se você mora em uma casa e o cachorro late no quintal ou no portão em um determinado horário, é possível que algo o esteja provocando.


Se há uma escola por perto, provavelmente o barulho das crianças na hora da saída pode provocar esse comportamento.


Elas passam gritando, brincando e, talvez, provocando o cachorro. Isso o faz reagir.

Se você tem um vizinho que costuma passear com seu cachorro habitualmente, toda vez que ele passar na frente do portão, seu mascote vai latir, se estiver habituado a isso.

Esses latidos podem ser de confraternização, alegria, ou de angústia, se ele interpretar que o outro animal está invadindo seu território.

A atitude correta, neste caso, seria impedir a visão do cachorro (bloqueando a cerca ou o portão) durante determinadas horas do dia (ou noite). Ou, ainda, afastá-lo do portão e da cerca, borrifando repelente canino nas grades.

2) Alguns cães ficam extremamente entediados e sentem necessidade de demonstrar seu estado de espírito. Esses animais irão preferir uivar ou choramingar, em vez de latir.

Mas se o tédio for muito grande, eles podem engatar uma série de latidos teimosos, permanecendo durante horas (ou a noite inteirinha) latindo sem se cansar.

Por vezes, os outros cães da vizinhança se juntam aos latidos, e o resultado é uma sinfonia ruidosa.

Em outros casos, se você trabalha ou estuda, e passa muitas horas longe de casa, seu cachorro pode adquirir a Síndrome da Ansiedade da Separação.

Normalmente a pessoa, ao voltar pra casa, é informada pelos vizinhos ou pelo síndico de que seu cachorro "não parou de latir o dia inteiro". Isso pode acarretar até mesmo multas de condomínio.

Nesses casos, a atitude correta é iniciar um programa específico de treinos de "dessensibilização", ou seja, você deverá diminuir a sensibilidade deles à solidão.

Ainda, poderá, também, incluir brinquedos inteligentes na rotina do cachorro. Brinquedos inteligentes são aqueles projetados (ou feitos em casa) especificamente para que o cachorro fique entretido durante várias horas, esquecendo que está sozinho e se livrando do tédio.

4) Problemas de territorialidade. Se o seu cachorrinho é muito territorialista, ele vai encrencar com todas as pessoas e animais que invadirem seu espaço. O problema é que fica difícil saber exatamente "onde" é o seu espaço. 

Latidos de cachorro são comuns quando o mascote ouve ruídos no corredor do prédio, por exemplo. Eles podem entender que até mesmo o corredor faz parte do seu território.

O mesmo para cachorros que latem para ruídos de elevador, pessoas conversando e som de passos próximos à porta. Eles acreditam que isso significa invasão de intrusos, e que ele deve estar de prontidão, latindo muito.

Incluímos nesses casos, também, o cachorro latindo para a campainha. Ele já entendeu que aquele som significa pessoas desconhecidas entrando em casa, ou se aproximando do portão.

Observe, no entanto, que existem cachorros (são minoria) que têm problemas com o som da campainha, que para eles é invasiva e dolorosa. 

Nesses casos, a atitude correta a ser tomada é demonstrar ao mascote o que é seu território e o que não é. Isso se faz de várias formas. 

Uma maneira simples é incluir, nos seus exercícios diários, a presença de estranhos (amigos convidados especificamente para isso), que irão tocar a campainha, entrar em casa e interagir com ele, recompensando-o por não latir

Em outros casos, se a campainha for muito estridente e incomodar a audição do mascote, a simples mudança de volume, ou de aparelho, já irá resolver.

Na maioria das vezes, o simples ato de socializar mais o cachorro irá torná-lo menos ruidoso.

5) Cachorros que ficam muito tempo acorrentados ou separados do restante da família e dos outros animais têm tendência a se tornarem anti-sociais.

O mesmo acontece com cachorros que ficam trancados muito tempo na garagem ou em locais fechados. Eles ouvem os ruídos do exterior, mas não conseguem ver o que acontece. Eles acabam ficando angustiados e ansiosos, e essas condições acarretam latidos e uivos.

O correto a se fazer, nesse caso, é liberá-lo de tempos em tempos; exercitá-lo, para diminuir o tédio; e utilizar os brinquedos inteligentes.

6) Cachorros na fase do cio se tornam muito nervosos e prestam muito pouca atenção aos comandos do dono.

Por se tratar de um efeito hormonal e consequente liberação de feromônios, o cio impede que o cachorro se comporte normalmente. Os cães param de se alimentar e se hidratar durante esse período, e se tornam mais ferozes e agitados.

As cadelas ficam fujonas, querem ir pra rua a todo custo, podendo se perder facilmente. Além disso, também ficam mais irritadiças, barulhentas e destruidoras. São comuns as brigas violentas entre elas durante essa fase. 

Nesse caso, a simples castração resolve quase completamente esse problema, sem interferir no comportamento geral do animal.

7) Há cachorros que latem para outros animais e pessoas, por ciúmes. Eles geralmente têm um sentimento de posse em relação ao dono ou à casa, e reagirão com intensidade ao se sentirem ameaçados.

Nesse caso, o dono (aquele que tem a preferência do cachorro) deve começar a diminuir o sentimento de posse do animal, interagindo com outros animais e pessoas, enquanto recompensa o cachorro ciumento por não atacar.

Essa atitude deve ser iniciada gradualmente, para que o cachorro não se sinta afrontado.

8) Também são comuns os cães que latem porque não querem ir pra rua à noite, ou porque não querem dormir na sala, longe do dono.

Isso geralmente sinaliza apego excessivo, e não é saudável para seu mascote.

É óbvio que o cachorro sempre vai querer ficar perto do dono. Mas essa tendência, quando é excessiva, não faz bem a ele.

A atitude correta, nesse caso, é estabelecer horários claros para ele. Dessa forma, quando for chegando a hora de se recolher, as luzes da casa, o volume da TV e o som das conversas devem ser diminuídos, para que o cachorro vá se habituando lentamente.

A grande dificuldade para o animal é ser afastado dos donos quando há conversas em voz alta, televisão, ou aparelho de som, ligados no último volume, muita claridade, etc. Isso parece, para ele, uma expulsão.

Mas quando você prepara todo o ambiente antes, ele começa a compreender os sinais de que é hora de se recolher à casinha ou à sua cama, e aprende a fazer isso sem resmungar.


Basta identificar a origem dos latidos

Como você vê, quando conseguimos identificar os motivos por trás dos latidos, fica mais fácil resolver o problema.

A grande dificuldade das pessoas é acreditar que todos os latidos são iguais e devem ser combatidos da mesma forma. Isso é um erro de principiante. Você deve, primeiramente, saber o que provocou o latido, antes de querer combatê-lo.

Por exemplo: os latidos por causa de fogos de artifício são diferentes daqueles produzidos pelo cachorro que ficou sozinho em casa. E cada um deve ser trabalhado de forma específica.

90% Truques. Sem adestramento.

Não gostamos de adestramentos longos e cansativos. Queremos "consertar" rapidamente os hábitos ruins dos nossos cachorros (latidos excessivos, destruição da casa, mordidas dolorosas, mania de ingerir fezes, etc.) sem adestrar, apenas com truques.

Por isso, construímos o único método com 90% de truques, pra fazer seu cachorro ficar mais comportado.

Admita, você não tem tempo nem vontade de passar várias horas por dia adestrando seu cachorro. Não faça essa maldade com ele.

90% Truques. Sem adestramento.



E Boa Sorte!